VOLUNTÁRIO ARTESÃO
29/02/2016

Censo do Artesão

Censo do Artesão

O artesanato em São Paulo se desenvolveu ao longo dos anos e continua incorporando novas técnicas constantemente. Esses artigos têm características peculiares da região, pois são feitos sobretudo de matérias-primas encontradas na floresta tropical. Um dos aspectos mais interessantes dos produtos manufaturados é o fato de eles refletirem as diversas influências culturais de uma localidade. No caso dos objetos artesanais confeccionados por trabalhadores paulistas, é possível observar a mistura de processos trazidos por colonizadores europeus com os traços cedidos por negros e indígenas. Além disso, a contribuição de diferentes populações migrantes e imigrantes também ajudou a enriquecer o artesanato típico do estado de São Paulo.

O trabalho dos artesãos de São Paulo

Por causa da intensa industrialização de São Paulo, um novo modelo de artesanato, denominado artesanato urbano, tem ganhado mais espaço. Esse tipo de criação utiliza resíduos das fábricas para dar origem a objetos únicos. Nas mãos habilidosas dos artesãos, o material é reciclado e se transforma em um artigo singular de importância figurativa, decorativa e utilitária. No entanto, o artesanato tradicional ainda está muito presente em várias partes da unidade federativa. Um exemplo disso são as cerâmicas rústicas do Apiaí, no Vale do Ribeira, que têm grande significado econômico e histórico. O Vale do Paraíba, com os seus trançados de fibras vegetais, os entalhes realizados na madeira, a cerâmica de procedência indígena e de alta temperatura, de derivação oriental, é outro ponto que merece ser citado. Já na área litorânea, predomina o artesanato elaborado por remanescentes da tribo guarani, que é composto por cestas montadas a partir de cipós, tábuas e bambus, bem como por utensílios de pesca, caça, enfeite e instrumentos musicais. Para a execução dessas peças, usa-se uma combinação de madeiras, fibras variadas e cabaças, entre outros materiais. Outras demonstrações do artesanato em São Paulo podem ser observadas em muitas feiras que funcionam semanalmente no litoral, no interior e na capital, onde se destacam a Feira da Praça da República e a da Liberdade. Segundo dados da Prefeitura, existem 43 espaços para exposição de artesanato regularizados na cidade de São Paulo.

Medidas para auxiliar os artesãos de São Paulo

O Governo do Estado de São Paulo fundou a Superintendência do Trabalho Artesanal das Comunidades (Sutaco) em 1972 com o objetivo de preservar e expandir essa forma de expressão artística. Sua maior atribuição é analisar e oferecer soluções para os problemas relacionados à absorção da mão de obra. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em torno de 8,5 milhões de pessoas converteram o seu artesanato em um pequeno negócio em todo o país. Estima-se que esses microempreendedores mobilizem mais de R$ 50 bilhões ao ano. Somente no estado de São Paulo, a Sutaco já cadastrou mais de 70 mil artesãos desde que foi criada. Porém, esses números precisam ser constantemente atualizados, tendo em vista que centenas de novos registros são efetuados a cada mês. Tais cifras mostram que os itens feitos à mão em São Paulo são bastante plurais e abundantes.

Fonte: REDE ALIANÇA

Post.: Ricardo Lima

Site: www.redealianca.com.br/blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *